O Rico e Lázaro

O Rico e Lázaro

O Rico e Lázaro

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegaçãoSaltar para a pesquisa
Disambig grey.svg Nota: Para a parábola, veja Parábola do Rico e Lázaro.
O Rico e Lázaro
Informação geral
Formato Telenovela
Gênero
Duração 60 minutos
Criador(es) Paula Richard
País de origem  Brasil
Idioma original português
Produção
Diretor(es) Edgard Miranda
Câmera Multicâmera
Roteirista(s) Camilo Pellegrini
Cristianne Fridman
Joaquim Assis
Rodrigo Ribeiro
Vânia Matos
Elenco
Tema de abertura "Ricopen", Daniel Figueiredo
Empresa(s) de produção RecordTV
Casablanca
Localização Rio de JaneiroRJ
Exibição
Emissora de televisão original RecordTV
Formato de exibição 3840i (4K)
Transmissão original 13 de março de 2017 – 20 de novembro de 2017
N.º de episódios 181

O Rico e Lázaro é uma telenovela brasileira produzida pela RecordTV em parceria com a produtora Casablanca, exibida entre 13 de março de 2017 e 20 de novembro de 2017 com 181 capítulos, substituindo A Terra Prometida e sendo substituída por Apocalipse. Escrita por Paula Richard com a colaboração de Camilo PellegriniCristianne FridmanJoaquim Assis, Rodrigo Ribeiro e Vânia Matos, consultoria histórica de Marcella Castor Polidoro e Mauricio Santos e direção de Edgard Miranda, Régis Faria, Hamsa Wood, Ajax Camacho e Rogério Passos, com a direção geral de Edgard Miranda.[1] Teve um orçamento de 800 mil reis por capítulo, quatro vezes maior que o destinado às "novelas das nove" da Rede Globo.[2][3]

Conta com Dudu AzevedoMilena ToscanoIgor RickliÂngelo Paes LemeHeitor MartinezAdriana GaramboneLucinha Lins e Christine Fernandes nos papéis centrais.

Antecedentes e contexto

"Novelas das oito" anteriores

Ainda em 2005, com a contratação do dramaturgo Lauro César Muniz, a Record anunciou seus planos de passar a ter, em sua programação, dois horários distintos destinados à exibição de telenovelas.[4][5] A emissora já possuía, à época, o "RecNov", um estúdio localizado no Rio de Janeiro destinado à produção de sua teledramaturgia, de forma similar ao que a Globo já fazia nos estúdios "Projac". A estrutura, entretanto, ainda não estava totalmente definida, e as filmagens de Prova de Amor a ocupavam integralmente. Uma vez que as obras de ampliação não iriam estar concluídas em tempo hábil[6] para o início das filmagens de Cidadão Brasileiro, a telenovela escrita por Muniz, outros locais foram utilizados pela emissora como cenário.[7][8][9] Em março do ano seguinte, Cidadão Brasileiro começou a ser exibida nesse segundo horário.[10] A telenovela foi exibida, em seu mês de estreia, às 20h 30min, mas sofreria nos meses seguintes uma série de mudanças em seu horário até regularizar-se às 22h 00. Esse horário foi seguido pela produção que a sucedeu, Vidas Opostas,[11] enquanto o horário "das oito" seria posteriormente ocupado por Luz do Sol, que começou a ser exibida em 21 de março de 2007.[12][13]

Entre 2006 e 2009, sucedendo à Cidadão Brasileiro, cinco telenovelas estrearam no horário de 20h30[14] e em novembro de 2009 a emissora anunciou que já tinha capacidade de realizar até seis produções ao mesmo tempo,[15] reforçando o projeto de implementar não apenas dois, mas três horários destinados à exibição de telenovelas, algo que vinha sendo cogitado desde 2005, quando Margareth Boury foi anunciada como a autora de uma produção com temática juvenil até então denominada "E aí?", que seria exibida à tarde,[10] mas que acabou não sendo produzida. Boury escreveria, em 2006, Alta Estação, telenovela que inauguraria um terceiro horário distinto destinado à exibição de produções do gênero.[16] Embora bem recebida pela crítica, a telenovela não alcançou índices de audiência considerados satisfatórios pela emissora, não conseguindo se consolidar como a segunda maior audiência do horário - o que levou ao seu cancelamento em maio do ano seguinte, pouco antes do término de sua primeira temporada e com os roteiros da segunda já sendo produzidos.[17] O site "NaTelinha", do portal de notícias UOL, chegaria a mencionar que tal cancelamento representaria uma decisão "precipitada" e "lamentável", colocando "um ponto final na terceira faixa de novelas, projeto audacioso da Record que dificilmente terá continuidade".[18]

Desde então, a emissora não conseguiria exibir, simultaneamente, três telenovelas inéditas. Entre 2007 e 2010, apenas dois horários da programação da emissora foram destinados à exibição de telenovelas.[19] Bela, a Feia, telenovela baseada em La fea más bella, inicialmente representaria um retorno ao terceiro horário de telenovelas, mas atrasos na sua produção fizeram com que fosse reposicionada na programação.[20] Uma segunda coprodução México-Brasil entraria no lugar de Bela, a Feia, mas, em janeiro de 2010, o jornalista José Armando Vannucci noticiou que a Record não apenas não conseguiria exibir três telenovelas ao mesmo tempo, como abandonaria o segundo horário destinado ao gênero, deixando para exibir, no mínimo por todo o primeiro semestre de 2010, apenas uma telenovela: Ribeirão do Tempo.[21] Em janeiro de 2010, a emissora emitiu um "Comunicado à Imprensa" anunciando que, com o término de Poder Paralelo, não iria mais exibir uma telenovela no horário das 22h, com Ribeirão do Tempo substituindo Bela, a Feia, mas que ainda no primeiro semestre exibiria uma nova produção, no horário das 19h.[19]

Rebelde foi a novela em questão a reinaugurar o segundo horário de novelas da Record na época, porém sua estreia só ocorreu em 21 de março de 2011.[22] A partir de 11 de julho de 2011, a emissora anunciou que começaria a exibir Rebelde às 20h30.[23][24] A novela que chegou a ser sucesso foi perdendo audiência em sua segunda temporada e em 12 de outubro de 2012, saiu do ar antes do previsto e consequente acabou-se o segundo horário de telenovelas da emissora.[25] Com o fim de Rebelde restou a Record na época o seu único horário às 22h30 em que estava sendo exibida a telenovela Balacobaco e posteriormente foi exibida Dona Xepa e o começo de Pecado Mortal.[26] Com a baixa audiência Pecado Mortal, a telenovela em 3 de fevereiro de 2014 foi transferida para às 21h15. Enfrentando o principal horário de telenovelas da Globo nem ela e nem sua sucessora Vitória foram bem e para a telenovela Os Dez Mandamentos ficou decidido que o melhor horário para ela seria exibi-la às 20h30.[27]

Popularização da teledramaturgia épica

O Rico e Lázaro é classificada como parte da "teledramaturgia bíblica", um gênero específico fortemente associado à Rede Record. Segundo Arthur Vivaqua, do site brasileiro "RD1", a exibição de produções que fossem adaptações de histórias da Bíblia foi uma das estratégias mais bem-sucedidas da emissora: "A princípio, a proposta de transformar sagas de cunho religioso em minisséries voltadas para o grande público causou certa estranheza, mas a aposta acabou se tornando um dos maiores acertos da emissora, que encontrou um filão inexplorado por suas concorrentes", disse, em texto produzido antes da estreia de Os Dez Mandamentos. O investimento no gênero que acabaria se tornando uma característica associada à teledramaturgia da emissora teve início no ano de 2010, com a exibição de uma minissérie em dez capítulos, intitulada A História de Ester.[28] Embora criticada por sua produção deficiente, em especial pelas barbas postiças utilizadas pelos atores, a primeira produção alcançou índices satisfatórios de audiência, e levou a emissora a continuar a investir no gênero. Assim, seguiram-se as minisséries Sansão e DalilaRei DaviJosé do Egito e Milagres de Jesus. Cada produção possuía mais capítulos que a anterior, e, conforme se mostravam bem-sucedidas, maiores eram os investimentos feitos pela emissora. Em 2011, Sansão e Dalila teve 18 episódios produzidos ao custo anunciado de 12 milhões de reais, e seguiu a produção de Rei Davi no ano seguintes. Os resultados de Rei Davi levaram a emissora a investir 28 milhões de reais para produzir os 24 capítulos de José do Egito. Ao ser exibida em 2013, entretanto, a minissérie teria sido reeditada de forma a ter 37 capítulos.[28]

Embora fosse menos bem-sucedida junto ao público que Rei Davi, os resultados obtidos por José do Egito foram considerados suficientemente satisfatórios pela emissora para assegurar novas produções do gênero. As chamadas "produções bíblicas", segundo Keila Jimenez, da Folha de S.Paulo, podiam inclusive substituir a produção de telenovelas convencionais: "Responsáveis pelas maiores audiências da emissora nos últimos anos, as minisséries bíblicas estão cada vez mais extensas, com mais capítulos, e (...) há quem aposte que essas produções bíblicas podem acabar tomando de vez o lugar das novelas convencionais na Record, uma vez que as últimas apostas do gênero (...) não vêm correspondendo em audiência".[29] A partir de 2014 a emissora exibiria Milagres de Jesus, uma produção elogiada pela crítica, mas incapaz de alcançar de forma bem-sucedida o público.[28] Após a exibição da primeira temporada, a emissora anunciaria a produção de novos episódios para o ano seguinte, bem como a de uma telenovela intitulada Os Dez Mandamentos.[30]

Consolidação do horário

Os Dez Mandamentos consolidou o horário de "novela das oito" da emissora. Com a novela, a emissora bateu um recorde de audiência ao ultrapassar pela primeira vez em 40 anos a principal novela da Globo.[31] Com o sucesso da novela, a Record decidiu em outubro de 2015 que o horário das 20h30 seria apenas dedicado às produções bíblicas e anunciou para 2016 a estreia de uma nova novela bíblica A Terra Prometida, enquanto isso o horário passaria a ser ocupado pela reprise da minissérie Rei Davi e em seguida vieram em sequência as reprises de José do Egito e Sansão e Dalila.[32][33][34]

A parte introdutória de A Terra Prometida, que conta a história dos 40 anos pelo deserto, acabou desmembrada formando uma nova temporada de Os Dez Mandamentos chamada Os Dez Mandamentos - Nova Temporada e que foi exibida de 04 de abril a 04 de julho de 2016.[35] Em seguida inicia-se A Terra Prometida que narra a história do povo hebreu já sob o comando de Josué, ele tem a missão de comandar as doze tribos de Israel na conquista de Canaã, a Terra Prometida[36]

Dando sequência as novelas bíblicas, foi anunciado em março de 2016 para ser exibida em 2017 como substituta de A Terra Prometida, a telenovela O Rico e Lázaro e a posterior Apocalipse.[37]

Enredo

Question book.svg
Esta secção não cita fontes confiáveis e independentes (desde abril de 2018). Ajude a inserir referências.
O conteúdo não verificável pode ser removido.—Encontre fontes: Google (notíciaslivros e acadêmico)
 

Asher (Dudu Azevedo), Joana (Milena Toscano) e Zac (Igor Rickli) são amigos de infância com vivências muito diferentes – Asher é pobre, Joana é órfã e pobre, já o Zac faz parte de uma família grande e rica. Não tarda para a vida colocá-los em caminhos opostos: Joana é adotada por Ravina (Marcos Breda) e Ilana (Cláudia Mauro), se tornando irmã de Dana (Graziella Schmitt), Rebeca (Bruna Pazinato) e Matias (Fernando Sampaio), enquanto Asher descobre que seu falecido pai deixou uma divida com a família de Zac, sendo obrigado à se tornar escravo deles por sete anos para pagá-los em serviços. Além disso, Asher e Joana se apaixonam, o que revolta Zac, que a desejava também, fazendo com que a amizade entre os dois rapazes seja rompida e uma rivalidade instaurada. Após sete anos, Asher está perto de reconquistar sua liberdade e poder se casar com Joana, mas tem que lidar com o retorno de Zac, que havia se mudado há anos e voltou mais rico e disposto a tudo para ficar com a mulher que ama, passando a humilhar e sabotar o ex-amigo.

Zac é filho de Elga (Denise Del Vecchio) e Chaim (Henri Pagnoncelli), um homem autoritário e violento, que trata os filhos com pulso-de-ferro e mantém um caso com a ardilosa vidente Shag-Shag (Cássia Linhares). Eles também são pais de Absalom (Roger Gobeth), rapaz que aprendeu a ser frio e raivoso com o pai, mas que se abre ao amor ao conhecer Dana, contrariando o patriarca; Rabe-Sáris (Gustavo Leão), que sonha em se tornar soldado e aceita cometer atrocidades para isso; Nicolau (Raphael Montagner), moço submisso e tímido, que é alvo constante das humilhações do pai; além de Tamir (Anderson Müller) e Shamir (Renato Rabello), que vivem uma cômica relação de rivalidade nos negócios e se casaram com as gêmeas Talita (Michelle Batista) e Samira (Giselle Batista), respectivamente, que mais atrapalham do que ajudam ao tentar alavancar o comércio dos dois. Quem cuida mesmo da família é a governanta Zelfa (Lucinha Lins), uma segunda mãe para os seis rapazes e que cuida de Asher como se fosse seu próprio filho.

A sacerdotisa Sammu-Ramat (Christine Fernandes) e o comandante Nebuzaradã (Ângelo Paes Leme) são um casal inescrupuloso e que galgaram uma posição de destaque na nobreza, capazes de tudo para conquistar mais poder. Eles são braços-direitos do rei Nabucodonosor II (Heitor Martinez) e da rainha Amitis (Adriana Garambone), governantes rígidos e que fizeram da Babilônia a cidade mais rica do mundo colocando os interesses políticos acima de qualquer vida. Eles são pais de Evil-Merodaque (Kayky Brito) e Nitócris (Sthefany Brito) – ele um rapaz de bom coração e que odeia violência, mas visto como fraco e submisso pela família e pela noiva, Shamiran (Gabriela Moreyra); ela uma moça ambiciosa e capaz de dar fim ao próprio irmão para se tornar a sucessora ao trono, sendo castradora como marido, Nabonido (Augusto Garcia) – além de Kassaia (Pérola Faria), moça ingênua que é seduzida por Nebuzaradã à mando de Sammu-Ramat e se casa com ele sem saber do romance dos dois, sendo parte do plano do casal para chegar ao trono.

Ainda há outras histórias, como de Daniel (Gabriel Gracindo), amigo e conselheiro de Asher e Evil-Merodaque, que se torna alvo de Sammu-Ramat e Nebuzaradã ao tentar alertar a família real das armações que eles tem sofrido internamente e encontra o amor nos braços de Lia (Tammy di Calafiori). Já a rainha Neusta (Vera Zimmermann) e o príncipe Joaquim (Osmar Silveira) se tornam cativos da Babilônia quando Nabucodonosor ataca a cidade de Judá, matando o rei e levando os dois como troféu. Neusta, mesmo cativa e sem poder, se mostra fria ao recusar deixar o filho de casar com a plebeia Edissa (Robertha Portella).

Elenco

Question book.svg
Esta secção não cita fontes confiáveis e independentes (desde abril de 2018). Ajude a inserir referências.
O conteúdo não verificável pode ser removido.—Encontre fontes: Google (notíciaslivros e acadêmico)
 
Elenco Personagens
Dudu Azevedo Asher
Milena Toscano Joana Bach
Igor Rickli Zac Mayan
Christine Fernandes Sammu-Ramat
Ângelo Paes Leme Nebuzaradã
Heitor Martinez Nabucodonosor II, Rei da Babilônia
Adriana Garambone Amitis, Rainha da Babilônia
Lucinha Lins Zelfa
Sthefany Brito Nitócris, Princesa da Babilônia
Kayky Brito Evil-Merodaque, Príncipe da Babilônia
Pérola Faria Kassaia, Princesa da Babilônia
Roger Gobeth Absalom Mayan
Graziella Schmitt Dana Bach
Denise Del Vecchio Elga Mayan
Henri Pagnoncelli Chaim Mayan
Cássia Linhares Shag-Shag Vech
Augusto Garcia Nabonido, Rei da Babilônia
Gabriela Moreyra Shamiran, Princesa de Nínive
Gabriel Gracindo Daniel
Tammy di Calafiori Lia
Cássio Scapin Beroso
Gustavo Leão Rabe-Sáris Mayan
Vera Zimmermann Neusta, Rainha de Judá
Osmar Silveira Joaquim, Principe de Judá
Robertha Portella Edissa
Felipe Cardoso Arioque
Giselle Batista Samira Rahal Mayan
Michelle Batista Talita Rahal Mayan
Anderson Müller Tamir Mayan
Renato Rabello Shamir Mayan
Raphael Montagner Nicolau Mayan
Marcos Breda Ravina Bach
Cláudia Mauro Ilana Bach
Paulo Figueiredo Zadoque Bach
Zé Carlos Machado Fassur
Rafael Almeida Hurzabum Vech
Bruna Pazinato Rebeca Bach
Eduardo Melo Lior
Marcelo Arnal Belsazar, Principe-Infante da Babilônia
Sacha Bali Misael / Mesaque
Nikolas Antunes Azarias / Abdenego
Karen Marinho Naomi
Gustavo Rodrigues Ananias / Sadraque
Pedro Malta Tamuz
Licurgo Spinola Ezequiel
Fernando Sampaio Matias Bach
Aisha Jambo Gadise
André Luiz Miranda Ebede-Meleque
Mariza Marchetti Malca
Saulo Meneghetti Oziel
Tião D'Ávila Aliatis
Thogun Teixeira Sargão, Rei de Nínive
Karla Tenório Jade
César Pezzuoli Zabaia
Paulo Leal Rafael
João Velho Madai
Ricardo Martins Larsa
Ed Oliveira Rato
Rafael Awi Benjamin
Karize Brum Kidist
Juliana Kelling Dalila
Rafael Sieg Levi
Paula Jubé Raquel
Ana Zettel Darice
Rafaela Ferreira Hayddé
Fran Fischer Namnu
Saulo Rodrigues Aspenaz
Adam Gomes Shimon
Diogo Caruso Labash Marduk

Participações especiais

Elenco Personagens
Paulo Gorgulho Abraão
Leonardo Medeiros Eliaquim, Rei de Judá
Vitor Hugo Jeremias
Rafael Gevú Asher (jovem)
Maitê Padilha Joana (jovem)
Gabriel Felipe Zac (jovem)
Júlia Maggessi Sammu-Ramat (jovem)
Guilherme Seta Hurzabum (jovem)
Letícia Pedro Rebeca (jovem)
Kevin Vechiatto Nicolau (jovem)
Luisa González Kassaia (jovem)
Jandir Ferrari Zedequias, Rei de Judá
Jorge Pontual Hananias
Guilherme Lopes Baruque
Clara Garcia Marta
Dedina Bernardelli Dinah
Ernesto Piccolo Uriel
Gustavo Falcão Efraim
Christian Villegas Zuriel
Bernardo Mesquita Micaías
Ronny Kriwat Gedalias
Perfeito Fortuna Aicão
Pablo Uranga Ismael
Tiago Marques Abel
Bruno Daltro Nebuzaradã (jovem)
João Barreto Belsazar (criança)
Marcelo Galdino Sacerdote Eliseu
Braulio Motta Sacerdote Obadias
Ycaro Tavares Hassube
Edson Fieschi Erom
Alex Brasil Aksumai
William Amaral Joel
Thaiane Maciel Débora
Ana Paula Lima Yasha
Carolina Sanchi Esposa de Oziel
Isabella Silvestre Ava
Vitoria Rangel Ainoã
Brenno de Filipo Dário da Pérsia
Ricardo Silva Saul
Júlia Barca Débora
João Guilherme Fonseca Shimon
Gigi Cardoso Shala
Giovanna Bercê Dakini
Davi de Oliveira Arão
João Fernando Pydd Davi
Cristian Guedes Zuriel (jovem)
Débora Ozório Nitócris (jovem)
Daniel Breda Matias (jovem)
Henrique Filgueiras Joaquim (jovem)
Lucas Burgatti Tamir (jovem)
Theo Salomão Benjamin (jovem)
Rodrigo Tavares Hassube (jovem)
Vinícius Scribel Rabe-Sáris (jovem)
Danilo Maia Evil-Merodaque (jovem)
Lívia Inhudes Dana (jovem)
Leonardo Braga Shamir (jovem)
Matheus Costa Nabonido (jovem)
Vitor Colman Absalom (jovem)
Pedro Carminati Tamuz (criança)
Fernanda Junqueira Kassaia (Filha de Evil-Merodaque)
Guilherme Carvalho Abel (filho de Lázaro e Joana)
Estela Leimig Marta (filha de Lázaro e Joana)
Thaís Morello Dinah (filha de Lázaro e Joana)
Nícolas Sanches Filho de Absalom e Dana
Milena Melo Filha de Absalom e Dana