ONLINE
37



OS DEZ MANDAMENTOS

Os Dez Mandamentos (telenovela)

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ambox rewrite.svg
Esta página precisa ser reciclada de acordo com o livro de estilo (desde dezembro de 2015).
Sinta-se livre para editá-la para que esta possa atingir um nível de qualidade superior.
 
Os Dez Mandamentos
Informação geral
Formato Telenovela
Gênero Épico
Bíblico
Romance
Aventura
Duração 60 min./1 hora
Criador(es) Vívian de Oliveira
País de origem  Brasil
Idioma original Português
Produção
Diretor(es) Alexandre Avancini
Hamsa Wood
Viviane Jundi
Armê Manente
Michele Lavalle
Câmera Multicâmera
Roteirista(s) Vivian de Oliveira
Elenco Guilherme Winter
Sérgio Marone
Camila Rodrigues
Giselle Itié
Petrônio Gontijo
Vitor Hugo
Vera Zimmerman
Denise Del Vecchio
Adriana Garambone
Sidney Sampaio
Larissa Maciel
Floriano Peixoto
Juliana Didone
Heitor Martinez
Rayana Carvalho
Nanda Ziegler
Zé Carlos Machado
Francisca Queiroz
Dudu Azevedo
Marcela Barrozo
Ver mais
Tema de abertura "Tigres" - Daniel Figueiredo
Exibição
Emissora de televisão original Brasil Rede Record
Formato de exibição 1080i (HDTV)
Transmissão original 23 de março de 201504 de julho de 2016
N.º de temporadas 2
N.º de episódios 242 no total
176 (1ª temporada)
66 (2ª temporada)
Cronologia
Programas relacionados Os Dez Mandamentos(filme de 2016)
A Terra Prometida

Os Dez Mandamentos é uma telenovela brasileira que foi produzida e exibida pela Rede Record, tendo sua primeira temporada transmitida entre 23 de março a 23 de novembro de 2015 em 176 capítulos, substituindo Vitória, e sendo substituída pela reprise de Rei Davi.[1] A segunda temporada foi transmitida de 04 de abril a 04 de julho de 2016 em 66 capítulos, substituindo a reprise deSansão e Dalila e sendo substituída pela novela A Terra Prometida.

Escrita por Vivian de Oliveira e com direção geral de Alexandre Avancini,[2] direção de Vivianne Jundi, Hamsa Wood e Armê Manente, tendo como autores colaboradores Altenir Silva, Emilio Boechat, Joaquim Assis, Maria Claudia Oliveira, Paula Richard, é uma adaptação de quatro dos livros que compõem a Bíblia - Êxodo, Levítico, Números e Deuteronômio[3] - narrando a história deMoisés desde o seu nascimento até sua morte, destacando o encontro com Deus no Monte Sinai, as pragas lançadas sobre o Egito, a sua participação na libertação do povo hebreu escravizado no país, a passagem pelo Mar Vermelho, a revelação dos dez mandamentos, a travessia de quarenta anos no deserto e a chegada do povo à terra prometida.

Na primeira temporada, contou com Guilherme Winter, Sérgio Marone, Camila Rodrigues, Giselle Itié, Petrônio Gontijo, Larissa Maciel, Zé Carlos Machado, Paulo Figueiredo, Sidney Sampaio, Maria Ceiça, Denise Del Vecchio, Paulo Gorgulho, Marcela Barrozo, Aisha Jambo, Igor Cosso, Juliana Didone, Gabriela Durlo, Kiko Pissolato, Giuseppe Oristanio, Vera Zimmerman, Victor Pecoraro, Nanda Ziegler, Floriano Peixoto, Heitor Martinez e Adriana Garambone nos principais personagens da trama bíblica.

Na segunda temporada, contou com Guilherme Winter, Giselle Itié, Denise Del Vecchio, Petrônio Gontijo, Sidney Sampaio, Dudu Azevedo, Larissa Maciel, Francisca Queiroz, Igor Cosso, Victor Hugo, Paulo Figueiredo, Nina de Pádua, Juliana Didone, Rayana Carvalho, Tammy di Calafiori, Paulo Vilela, Floriano Peixoto, Marcela Barrozo e Rayanne Morais interpretando os papéis centrais da trama.

A novela bateu um recorde de audiência em 18 de setembro de 2015, ao ultrapassar pela primeira vez em 40 anos a principal novela da Globo.[4]

É uma das novas apostas da TV Record Europa no ano de 2016. Estreando dia 4 de Janeiro de 2016, no horário das 21 horas, passando a ser a "novela das nove" da TV Record Europa, sendo exibida de segunda a sexta.

 

 

Antecedentes e contexto[editar | editar código-fonte]

"Novelas das oito" anteriores[editar | editar código-fonte]

Ainda em 2005, com a contratação do dramaturgo Lauro César Muniz, a Record anunciou seus planos de passar a ter, em sua programação, dois horários distintos destinados à exibição de telenovelas[5][6]. A emissora já possuía, à época, o "RecNov", um estúdio localizado no Rio de Janeiro destinado à produção de sua teledramaturgia, de forma similar ao que a Globo já fazia nos estúdios "Projac". A estrutura, entretanto, ainda não estava totalmente definida, e as filmagens de Prova de Amor a ocupavam integralmente. Uma vez que as obras de ampliação não iriam estar concluídas em tempo hábil[7] para o início das filmagens de Cidadão Brasileiro, a telenovela escrita por Muniz, outros locais foram utilizados pela emissora como cenário[8][9][10]. Em março do ano seguinte, Cidadão Brasileiro começou a ser exibida nesse segundo horário[11]. A telenovela foi exibida, em seu mês de estreia, às 20h 30min, mas sofreria nos meses seguintes uma série de mudanças em seu horário até regularizar-se às 22h 00. Esse horário foi seguido pela produção que a sucedeu, Vidas Opostas[12], enquanto o horário "das oito" seria posteriormente ocupado por Luz do Sol, que começou a ser exibida em 21 de março de 2007[13][14].

Entre 2006 e 2009, sucedendo à Cidadão Brasileiro, cinco telenovelas estrearam no horário de 20h 30[15] e em novembro de 2009 a emissora anunciou que já tinha capacidade de realizar até seis produções ao mesmo tempo[16], reforçando o projeto de implementar não apenas dois, mas três horários destinados à exibição de telenovelas, algo que vinha sendo cogitado desde 2005, quando Margareth Boury foi anunciada como a autora de uma produção com temática juvenil até então denominada "E aí?", que seria exibida à tarde[11], mas que acabou não sendo produzida. Boury escreveria, em 2006, Alta Estação, telenovela que inauguraria um terceiro horário distinto destinado à exibição de produções do gênero[17]. Embora bem recebida pela crítica, a telenovela não alcançou índices de audiência considerados satisfatórios pela emissora, não conseguindo se consolidar como a segunda maior audiência do horário - o que levou ao seu cancelamento em maio do ano seguinte, pouco antes do término de sua primeira temporada e com os roteiros da segunda já sendo produzidos[18]. O site "NaTelinha", do portal de notícias UOL, chegaria a mencionar que tal cancelamento representaria uma decisão "precipitada" e "lamentável", colocando "um ponto final na terceira faixa de novelas, projeto audacioso da Record que dificilmente terá continuidade"[19]. Desde então, a emissora não conseguiria exibir, simultaneamente, três telenovelas inéditas. Entre 2007 e 2010, apenas dois horários da programação da emissora foram destinados à exibição de telenovelas[20].

Bela, a Feia, telenovela baseada em La fea más bella, inicialmente representaria um retorno ao terceiro horário de telenovelas, mas atrasos na sua produção fizeram com que fosse reposicionada na programação[21]. Uma segunda coprodução México-Brasil entraria no lugar de Bela, a Feia, mas, em janeiro de 2010, o jornalista José Armando Vannucci noticiou que a Record não apenas não conseguiria exibir três telenovelas ao mesmo tempo, como abandonaria o segundo horário destinado ao gênero, deixando para exibir, no mínimo por todo o primeiro semestre de 2010, apenas uma telenovela: Ribeirão do Tempo[22].

Em janeiro de 2010, a emissora emitiu um "Comunicado à Imprensa" anunciando que, com o término de Poder Paralelo, não iria mais exibir uma telenovela no horário das 22h, com Ribeirão do Tempo substituindo Bela, a Feia, mas que ainda no primeiro semestre exibiria uma nova produção, no horário das 19h[20].

Rebelde foi a novela em questão a reinaugurar o segundo horário de novelas da Record na época, porém sua estreia só ocorreu em 21 de março de 2011.[23] A partir de 11 de julho de 2011, a emissora anunciou que começaria a exibir Rebelde às 20h30[24][25]. A novela que chegou a ser sucesso foi perdendo audiência em sua segunda temporada e em 12 de outubro de 2012, saiu do ar antes do previsto e consequente acabou-se o segundo horário de telenovelas da emissora.[26]

Com o fim de Rebelde restou a Record na época o seu único horário às 22h30 em que estava sendo exibida a telenovela Balacobaco e posteriormente foi exibida Dona Xepa e o começo de Pecado Mortal.[27] Com a baixa audiência Pecado Mortal, a telenovela em 3 de fevereiro de 2014 foi transferida para às 21h15. Enfrentando o principal horário de telenovelas da Globo nem ela e nem sua sucessora Vitória foram bem e para a telenovela Os Dez Mandamentos ficou decidido que o melhor horário para ela seria exibi-la às 20h30.[28]

Popularização da teledramaturgia bíblica (2010-2014)[editar | editar código-fonte]

Os Dez Mandamentos é classificada como parte da "teledramaturgia bíblica", um gênero específico fortemente associado à Rede Record.[29] Segundo Arthur Vivaqua, do sitebrasileiro "RD1", a exibição de produções que fossem adaptações de histórias da Bíblia foi uma das estratégias mais bem-sucedidas da emissora: "A princípio, a proposta de transformar sagas de cunho religioso em minisséries voltadas para o grande público causou certa estranheza, mas a aposta acabou se tornando um dos maiores acertos da emissora, que encontrou um filão inexplorado por suas concorrentes", disse, em texto produzido antes da estreia de Os Dez Mandamentos. O investimento no gênero que acabaria se tornando uma característica associada à teledramaturgia da emissora teve início no ano de 2010, com a exibição de uma minissérie em dez capítulos, intitulada A História de Ester.[30]

Embora criticada por sua produção deficiente, em especial pelas barbas postiças utilizadas pelos atores, a primeira produção alcançou índices satisfatórios de audiência, e levou a emissora a continuar a investir no gênero. Assim, seguiram-se as minisséries Sansão e Dalila, Rei Davi, José do Egito e Milagres de Jesus. Cada produção possuía mais capítulos que a anterior, e, conforme se mostravam bem-sucedidas, maiores eram os investimentos feitos pela emissora. Em 2011, Sansão e Dalila teve 18 episódios produzidos ao custo anunciado de 12 milhões de reais, e seguiu a produção de Rei Davi no ano seguintes. Os resultados de Rei Davi levaram a emissora a investir 28 milhões de reais para produzir os 24 capítulos de José do Egito. Ao ser exibida em 2013, entretanto, a minissérie teria sido reeditada de forma a ter 37 capítulos.[30]

Embora fosse menos bem-sucedida junto ao público que Rei Davi, os resultados obtidos por José do Egito foram considerados suficientemente satisfatórios pela emissora para assegurar novas produções do gênero. As chamadas "produções bíblicas", segundo Keila Jimenez, da Folha de S.Paulo, podiam inclusive substituir a produção de telenovelasconvencionais: "Responsáveis pelas maiores audiências da emissora nos últimos anos, as minisséries bíblicas estão cada vez mais extensas, com mais capítulos, e (...) há quem aposte que essas produções bíblicas podem acabar tomando de vez o lugar das novelas convencionais na Record, uma vez que as últimas apostas do gênero (...) não vêm correspondendo em audiência".[31] A partir de 2014 a emissora exibiria Milagres de Jesus, uma produção elogiada pela crítica, mas incapaz de alcançar de forma bem-sucedida o público.[30] Após a exibição da primeira temporada, a emissora anunciaria a produção de novos episódios para o ano seguinte, bem como a de uma telenovela intitulada Os Dez Mandamentos.[32]

Produção[editar | editar código-fonte]

É a primeira telenovela brasileira e do mundo baseada em uma história bíblica.[33] A previsão inicial é de que Os Dez Mandamentos seja exibida em 150 capítulos, dividida em quatro fases,[34] com gravações externas no Deserto de Atacama - (Chile),[2] além de locações no Paraná, no município de Guarapuava. Além com locações nos municípios deItaguaí e Seropédica e o bairro carioca de Santa Cruz[34][35]

É considerada uma das produções mais caras da história da emissora, com um custo de R$ 700 mil por capítulo, perdendo para, por exemplo, Milagres de Jesus (900 mil por capítulo).[34][36]

Cenografia[editar | editar código-fonte]

Foram constituídos 28 cenários e uma cidade cenográfica com mais de 7 mil metros quadrados, onde são reproduzidas as cidades dos hebreus, egípcios e midianitas.[36] Para a gravação da telenovela, foram utilizadas câmeras digitais Arri Alexa.[37]

Trilha sonora[editar | editar código-fonte]

A trilha sonora, de Daniel Figueiredo, é outro destaque da novela. Assim como em outras adaptações bíblicas, a Record optou por músicas instrumentais e outras em hebraico, como Miklat, tema do casal protagonista cantada por Gilbert Stein e Fortuna Safie. O tema da abertura da trama, que apresentava as dez pragas do Egito, o Monte Sinai, a peregrinação do povo hebreu no deserto, e o exército do faraó afogado no Mar Vermelho, intercaladas com as pedras que juntavam-se para formar as tábuas dos dez mandamentos e encerrando com o logo com nome da novela, também marcou muito os telespectadores, porém no dia 09/07 no capítulo 79 que exibiu o casamento de Moisés e passagem para terceira fase da trama, foi colocada como música de fundo do casamento de Moisés e Zípora. Pela primeira vez nas produções bíblicas, uma música em português: tratava-se de O amor que vem da fé ou No poço te encontrei, cantada por Kátia Jorgensen e Moyses Macedo (filho mais novo do Bispo Edir Macedo, proprietário da Rede Record e líder fundador da Igreja Universal), uma versão com a mesma melodia de Miklat, que agradou e encantou o público que acompanhou.